prédio giratório

Primeiro prédio giratório do mundo fica em Curitiba

Curitiba, no inverno, costuma ser fria e úmida, deixando os imóveis que não pegam sol terrivelmente desconfortáveis. Por ser um item muito requisitado na hora da procura por um imóvel, surge um edifício que resolve o problema e proporciona iluminação solar em todos os cômodos, afinal, ele é um prédio giratório.

Projetado pelo o arquiteto Bruno de Franco e concretizado com a ajuda do engenheiro mecânico Alan Holzmann, o Edifício Suite Vollard fica no bairro Ecoville, um dos mais luxuosos de Curitiba. O nome faz referência à mais aclamada série de gravuras de Picasso.

Lançado em 2004 como o primeiro prédio giratório do mundo com andares que se movem independentemente, nunca chegou a ser habitado. Claro, o fato de nunca ter tido moradores suscitou diversas lendas urbanas, inclusive de que a Xuxa teria comprado um dos apartamentos.

Ao todo são 11 apartamentos que ocupam todo o andar de forma circular, com 287m² de área, divididos internamente em 4 quadrantes com uma porta cada, ligados ao eixo central fixo onde fica a lareira, os banheiros e a cozinha.

Mas como ele gira?

Considerado o primeiro apartamento giratório do mundo, suas unidades giram 360 graus. Com um simples comando de voz é possível acompanhar a movimentação do sol, do nascente ao poente. Todos os andares giram de forma independente entre si, incluindo a plataforma de giro, o teto e as paredes.

A percepção visual de movimento é visível aos ocupantes do apartamento bem como às pessoas que observam a residência no exterior dela.

Todo o movimento é monitorado por computador e sua velocidade pode ser regulada pelo usuário. Uma plataforma metálica de 89 m² foi estruturada lateralmente por montantes metálicos verticais fixados na sua base, a parte superior é acoplada telescopicamente a uma guia curva fixada na laje, possibilitando o giro da vedação lateral em conjunto com a plataforma. O movimento de rotação foi assegurado por um sistema de engrenagens dentadas e correntes de rolo.

Portanto, a plataforma metálica gira para ambos os sentidos sobre uma estrutura fixa de concreto, utilizando um motor de 0,5 cv para movimentar o apartamento com um consumo de energia elétrica de 370kw/h, ou seja, menos do que quatro lâmpadas comuns.

Veja também: Curitiba vista de outro ângulo

Todo o controle de movimentação é realizado através do sistema de automação, que além de controlar a movimentação da plataforma, a velocidade e o sentido, controla também o ar-condicionado, as persianas, a iluminação e as câmeras de segurança.

Este edifício é um produto com tecnologia patenteada mundialmente com a empresa Spin Building, que também oferece tecnologias de controle de ambientes, além de segurança por biometria e utilização de sistemas avançados para economizar água e energia elétrica.

As vantagens tecnológicas do prédio giratório

  • Possibilidade de visualização de todos os ambientes do apartamento e das áreas comuns do prédio, com câmeras de vídeo;
  • Simuladores de segurança e reconhecimento digital, de íris e de face;
  • Controle e monitoramento de voz ou à distância do movimento giratório do apartamento, bem como controle de iluminação, climatização e até da hidromassagem.

Algumas vantagens da tecnologia Spin Building:

  • O sistema é livre de ruídos e vibrações;
  • Flexibilidade de rotação variável para ambos os sentidos, conforme a vontade do proprietário;
  • Funcionamento contínuo com movimentos suaves do início ao término da rotação;
  • Baixo consumo de energia elétrica;
  • Baixo peso;
  • Baixa manutenção;
  • Componentes projetados com alta durabilidade, a maioria deles por mais de 30 anos;
  • Assistência técnica e peças de reposição podem ser adquiridas com facilidade.

2 comentários sobre “Primeiro prédio giratório do mundo fica em Curitiba

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.