Retrofit: o imóvel alugado pode se transformar!

Quem lida com arquitetos, designers, projetistas, construtores e urbanistas, talvez nunca tenha ouvido falar tanto em retrofit como nos últimos tempos.

O termo em inglês nada mais é do que a popular “reforma”, mas com um sentido de customizar, adaptar e melhorar os equipamentos, conforto e possibilidades de uso de um antigo edifício. Mas porque reformar ao invés de fazer um prédio novo? Bem, há várias coisas a serem consideradas.

Com a tradução liberal de “colocar o antigo em boa forma”, (retro do latim “movimentar se para trás” e fit do inglês, adaptação, ajuste), a expressão retrofit tem sido amplamente empregada com o sentido de renovação e de atualização, mas mantendo as características intrínsecas do bem retrofitado.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Não se trata simplesmente de uma reconstrução, pois esta implicaria em uma simples restauração. Ao invés disto, busca-se o renascimento. No mundo da construção, a arte de retrofitar está aliada ao conceito de preservação da memória e da história.

A motivação principal é revitalizar antigos edifícios, aumentando sua vida útil usando materiais modernos. Essa prática é uma tendência na Europa, a fim de solucionar um problema: o que fazer com tamanha quantidade de edifícios antigos e históricos inutilizados, ou com tecnologias ultrapassadas que impossibilitam seu uso?

Atualmente, só no continente europeu cerca de 50% dos projetos são frutos de retrofit. Também é bastante usada nos Estados Unidos. Nestes países a rígida legislação não permitiu que o rico acervo arquitetônico fosse substituído, abrindo espaço para o surgimento desta solução que preserva o patrimônio histórico ao mesmo tempo em que permite a utilização adequada do imóvel.

Uma das principais vantagens do retrofit é valorizar o projeto no mercado imobiliário, além de torná-lo sustentável e apropriado para os tempos de hoje.

Como o retrofit tem sido colocado em prática

Prova disso é o projeto de sete alunos do curso de Design de Interiores do Senac, módulo 1 da matéria de decoração residencial da professora Yoko Hibino que tinham em seu trabalho esse conceito base como objetivo.

Para a matéria, eles tiveram que ir até o local de intervenção, realizar levantamento métrico e fotográfico de cada ambiente, verificar o conforto ambiental e as regras do condomínio. Depois deveriam entrevistar a cliente “faz de conta” que os instrutores selecionaram e ai então montar o conceito, o painel semântico (painel dos sentidos) e o painel de mobiliário, tudo de acordo com a entrevista da futura moradora e da visita ao imóvel. Por último, finalmente desenvolveram o projeto em diversas etapas pertinentes.

Aqui, a “cliente” era uma historiadora de 36 anos chamada Rafaela Lunardi que ganhou projetos baseados em descontração, lembranças, diversão, aconchego, energia, felicidade, misticismo e energia. Em seu perfil fictício ela falou estar na etapa final do doutorado e que planejava ter um filho após o término da graduação.

Também contou que possui muitos quadros, pratos e objetos de lembranças e decorativos. Ela disse gostar de MPB, de ler, de viajar, de receber pessoas e contou possuir uma gata chamada Amora, manifestando o desejo de ter mais um bichinho de estimação. Mostrou-se sendo uma pessoa alegre, descontraída, extrovertida, determinada e que gosta de aconchego.

Rafaela contou que gosta de cores vivas e fez pedidos como um escritório, muito espaço para guardar documentos e seus pertences, uma estrutura para gatos, um quarto de hóspedes que mais tarde poderia transforma-se em quarto de bebê, um lugar para expor seus cartões postais e a preservação de um rack da família que era de sua mãe.

O imóvel cedido pela Galvão para as aulas possuía diversas qualidades como os ambientes amplos, o pé direito alto, as janelas generosas e a localização central.

O Edifício Rosa Ângela Perrone está localizado no Centro da cidade entre as ruas Riachuelo e Barão do Cerro Azul e seu apartamento de 84.00m² conta com sala, cozinha, BWC social, três quartos, três sacadas, área de serviço e dependência de empregada.

“Em uma situação como esta o trabalho do designer de interiores é mais árduo e as relações de ambientes são mais complexas. Nesse caso, os alunos sofreram um pouquinho para realizar o levantamento métrico e depois passar para o software de desenho técnico devido as paredes angulares paralelas as vias e com um chanfro arredondado voltado a esquina, o que fez com que a atividade ficasse muito mais rica como forma de aprendizado. O resultado apresentado foi espetacular”, explicou a professora Yoko Hibino.

A designer e artesã especializada em pintura em tela e patchwork, Rosiméri de Fátima Costa Velho, 52 anos, decidiu cursar Design de Interiores no Senac porque sempre amou decoração. “Achei que havia chegado a hora de me aprofundar no assunto. O curso era como eu esperava e um pouco mais, pois vai além do simples decorar” conta.

Para ela a importância da Galvão ter cedido o apartamento para a matéria de decoração residencial foi essencial, pois assim pode colocar em prática o que já havia visto. “O trabalho final foi muito prazeroso porque visualizamos todo o projeto para um cliente real. É sempre bom trabalhar com um cliente, alegre, colorido e alto astral. Já as dificuldades ficaram por conta da falta de prática, pois além de projetar tínhamos que fazer cotações com valores reais de todos os itens incluindo a mão de obra”.

 

VEJA TAMBÉM:

> Tendências para a casa em 2018

> Por que as famílias estão buscando casas em condomínios?

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.