Sonho que se sonha junto é realidade

A Galvão Locações reconhece sua responsabilidade em relação à sociedade, por isso participa de ações que contribuem para a melhoria do país.

O Projeto Mão Amiga, iniciado em 2005, é uma iniciativa dos profissionais da Galvão e conta com o apoio da empresa. A Viva Melhor conversou com Fátima Galvão, diretora da Galvão Locações, para conhecer um pouco mais sobre esta história que já rendeu encontros pra lá de especiais.

Logo_MaoAmiga
Projeto Mão Amiga

A iniciativa surgiu a partir de uma funcionária da Galvão Locação, ainda em 2005. “Ela já conhecia o Lar Moisés e organizou uma gincana interna para coletar roupas e mantimentos para as crianças atendidas pela entidade. A campanha que começou por iniciativa dos funcionários se expandiu e hoje além do tradicional apoio financeiro dos funcionários, a empresa auxilia na festa de fim de ano do Lar adquirindo cotas para o jantar beneficente”, revela Fátima Galvão.

Os funcionários arrecadam um valor mensal que é revertido em mantimentos e produtos de limpeza e higiene, seguindo as necessidades passadas diretamente pela administração do Lar Moisés. Em épocas comemorativas como o Dia das Crianças e Natal os funcionários arrecadam brinquedos.

“Essa parceria vem de muitos anos. E logo que o auxílio ao Lar iniciou eu fui conferir de perto o destino das nossas arrecadações e confirmei a seriedade e solidez da instituição. Isso faz toda a diferença. Nós acreditamos que não basta doar dinheiro ou produtos materiais, precisamos acima de tudo doar nosso tempo e acompanhar o atendimento prestado pela instituição. Por isso, várias vezes nossos funcionários passam o dia com as crianças. Certa vez levamos as crianças para uma chácara e foi uma festa muito gostosa. Passar um dia de pura diversão e alegria com as crianças é recompensador”, relembra a diretora executiva.

 

Trajetória do Lar Moisés

O Lar Moisés nasceu em 1981, ano que marcou o início das suas atividades. Porém, após muitas dificuldades, em 24 de novembro de 1994 o grande sonho se tornou realidade: a construção da sede própria e o título de associação.

A entidade começou ajudando mães em tratamento contra a dependência química que não tinham lugar para deixar os filhos. Essa ajuda se transformou em algo muito além de apoio. Atualmente a instituição abriga crianças em situação de risco e vulnerabilidade social, com medida protetiva encaminhadas por órgãos competentes sob a tutela da Vara de Infância e Juventude. “A cada dia conquistamos novas metas e com isso conseguimos crescer”, orgulha-se a presidente do Lar Moisés, Lara Santos.

O Lar Moisés é uma instituição sem fins lucrativos que procura oferecer um ambiente acolhedor para os pequenos que abriga, desde a entrada. Sua capacidade de atendimento é para 20 crianças em regime integral. Hoje, acomoda 10 meninos e sete meninas com idades entre um e 11 anos. “Muitos deles são inclusive irmãos, esse fato é importante, pois os faz permanecer por aqui mais tempo que a idade limite do Lar”, conta Lara.

O grande diferencial da entidade está nos valores pregados diariamente em todas as atividades. Esse posicionamento é definido pela entidade como “projeto identidade” e baseia-se nas premissas do amor, limite e respeito. “A ideia é aplicar conceitos do dia a dia que eles possam levar para a vida. No closet, no banheiro e na brinquedoteca, por exemplo, cada criança possui o seu nicho com os materiais doados, que deve manter sempre organizado, limpo e dobrado. Quando for embora da casa ela pode levar seus pertences”, esclarece a presidente.

Outro trabalho importante da instituição é o acompanhamento que fazem com a família da criança, em especial às mães, para restabelecer e fortalecer os vínculos, visando assim à reintegração delas em suas famílias. Quando o juiz autoriza, primeiramente as famílias visitam as crianças em uma sala do Lar, sempre acompanhadas da psicóloga e assistente social, para só depois ganhar o acesso ao restante da casa. Quando todas as possibilidades de retornar ao convívio dos parentes se esgotam, a equipe do Lar acompanha o encaminhamento da criança a nova família, auxiliando-os na integração.

O Lar Moisés atende muitas das crianças que sofreram abusos, maus tratos ou vivenciaram as mazelas de conviver com pais alcoólatras ou viciados em drogas. Assim, todo o suporte psicológico e social para a criança e sua família é fundamental, e o resultado não poderia ser melhor.

“Tivemos casos de mães que eram usuárias de drogas e após o acompanhamento começaram a participar mais da vida dos filhos, começaram a trabalhar e hoje em dia possuem até casa própria fornecida por programas da prefeitura”, comemora Lara.

Como parte do projeto de amparo às mães, o Lar Moisés oferece cursos de corte e costura que fornecem a elas uma oportunidade de aprender um novo ofício e ter uma renda extra. Em uma sala montada pela instituição elas recebem aulas de costura em uma turma pequena e depois aprendem a prática em máquinas de costura. Para esse ano a fundação estuda a ideia de emprestar a máquina para as mães em comodato.

Trabalhar com crianças que tiveram o vínculo familiar rompido por vezes não é fácil e exige sensibilidade. Hoje o Lar conta com um quadro de funcionários composto por assistente social, terapeuta ocupacional, psicóloga e pedagoga. “As pessoas que lidam com crianças sabem que elas sofrem muito com a separação dos pais e por estarem num ambiente estranho. Temos observado que a dor delas se expressa de diversas maneiras: algumas se mostram assustadas, inibidas, apáticas, agitadas e agressivas, outras choram muito e até se recusam a se alimentar. No abrigo discutimos as vivências emocionais de cada um com a psicóloga e a assistente social e estes nos orientam sobre o modo de agir com as crianças e por vezes com a família”, relata o coordenador institucional Marcelo Morais.

Além dos funcionários, a Instituição também conta com o apoio de 24 voluntários que ajudam no período da tarde ou nos fins de semana, durante duas horas e até duas vezes na semana. Entre as atividades estão: corte de cabelo, arte terapia, futebol, judô, origami, dança, capoeira, aulas de reforço e até noite da pizza. Todas as crianças estudam no período da manhã em colégios municipais, sendo que três deles possuem bolsas de estudos em escolas particulares. “Nossas educadoras tem o preparo necessário para desenvolver junto às crianças atividades que fujam da rotina. Queremos que a instituição tenha uma rotina que se aproxime o máximo possível de um lar”, transmite o coordenador.

Para melhorar a capacitação interna, o Lar Moisés participará esse ano de uma oficina de planejamento estratégico, captação de recursos e marketing, durante oito meses. Trata-se do Projeto Legado que tem como objetivo identificar, integrar e apoiar pessoas e organizações que estão transformando a sociedade.

No começo do ano, logo após o período de festas, a instituição passa por uma temporada difícil: há uma grande baixa nas doações, principalmente naquelas realizadas por empresas e grupos de amigos. “É importante ressaltar que a instituição possui contas a pagar como uma casa normal, porém com um volume maior como, por exemplo, faturas de água, luz e telefone. Além disso, também existe a necessidade de compras de medicação, pagamentos de consultas para atendimentos especializados das crianças, entre outros gastos”, revela Marcelo.

Atualmente somando todas as fontes de recursos não é possível alcançar o equilíbrio financeiro necessário, então, de modo geral, toda ajuda é necessária. “Passamos para as pessoas que se dispõe a ajudar qual é a necessidade do momento, ou seja, o que está faltando ou o que menos recebemos. Geralmente são produtos de limpeza, comidas para
as crianças como bolachas, salgadinhos, sucos e alimentos perecíveis, em especial as carnes. Nossa necessidade agora é uma Van, trabalhamos apenas com o auxílio de uma Kombi que faz o transporte de todas as crianças. A reforma das escadas da fachada também será uma de nossas próximas prioridades”, afirma a presidente.

A população do bairro também ajuda a instituição, principalmente com a doação de roupas e objetos, que passam inicialmente por uma seleção e quando não utilizados pela casa ou pelas crianças, transforma-se em um bazar beneficente que é a única fonte de renda atualmente no lar realizado a cada dia 15 dias com produtos entre R$1,00 e R$5,00.

Ficou interessado e quer ajudar?
Conheça mais sobre o Lar Moisés no site www.larmoises.org e descubra como fazer a diferença na vida dessas crianças.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.